Fanfic: A vida dos Irm?os Scamander by ArielOrion (Read for Free, 1,332,114 Clicks)

Description: Renascer foi inesperado, para dizer o m¨ªnimo.

Characters: Creator Chose Not To Use Archive WarningsHarry Potter Hermione Granger Original Female Character(s) Original Male Character(s) Wednesday Addams Pugsley Addams Newt Scamander Credence Barebone Sudanese Obscurial Girl (Fantastic Beasts)Red-Haired Harry Potter Female Credence Alternate Universe

Summary: Summary:

Renascer foi inesperado, para dizer o m¨ªnimo.Renascer em uma fam¨ªlia que n?o deveria existir em um mundo fict¨ªcio, era pior. Ainda mais quando sabe os horrores poss¨ªvel do futuro. Essa ¨¦ vida de Teddy e Alec, mas o que voc¨º pode fazer quando nasce na fam¨ªlia Scamander com duas m?es, uma m?e vidente, outra m?e e irm? mais velha que s?o obscurus, um pai obcecado por criaturas magicas, sem mencionar que sua bab¨¢ ¨¦ uma cobra.Viva e mude a hist¨®ria.

Notes:

Chapter 1: VIDA

Chapter Text
?

“Nascemos, vivemos, morremos. ¨¤s vezes, n?o necessariamente nessa ordem. Colocamos as coisas para descansar, apenas para ressuscit¨¢-las de novo. Ent?o se a morte n?o ¨¦ o fim, no que ainda podemos contar? Porque n?o d¨¢ para contar com nada na vida. A vida ¨¦ a coisa mais fr¨¢gil, inst¨¢vel, e imprevis¨ªvel que existe. Na verdade, s¨® temos certeza de uma coisa na vida…”

Meredith Grey

?CAPITULO UM?¡ª Foster passa para Blade que se prepara para lan?ar. E a goleira do Brasil protege. N?o foi dessa vez. Davis pega a Golem, passa para Souza, que passa para Ferreira. Jackson tenta interceptar mais Ferreira n?o para, passando por ele e se prepara. Lan?a e s?o mais dez pontas para o Brasil.A voz do comentarista era quase inaud¨ªvel tentando ficar a acima do barulho da tempestade de neve que caia no campo e Alyssa mal podia ver suas m?os enquanto segurava fortemente sua vassoura. Era o final da Copa Mundial de Quadribol e o Brasil estava jogando contra a Inglaterra, a casa de seu amado marido e de seus pr¨®prios antepassados.Alyssa estremeceu com a dolorosa pontada de dor que sentiu. Levou uma de suas m?os a sua rechonchuda barriga a acariciou levemente.¡ª Calma bebe. Voc¨º n?o pode distrair sua mam?e agora. ¡ª Ela quase admitiria naquele momento que deveria ter concordado com Newt e Credence de que n?o deveria voar, n?o deveria competir em seu estado, enormemente gravida, mas ningu¨¦m poderia para-la de jogar pelo seu pa¨ªs em um momento t?o importante, sem mencionar que como capit? do time era seu dever estar no campo em naquele momento.Dourado, registrou. Em meio a tempestade, pelo canto do olho estava reluzindo um pequeno objeto roubado. Era ele, o Pomo de Ouro. Segurando com mais for?a o cabo da vassoura deu um impulso extremamente forte quando outra pontada de dor veio quase fazendo-a perder o equil¨ªbrio.Tinha sido assim j¨¢ fazia a algum tempo, seu filhote nunca foi muito ativo, sempre quieto e calmo, tanto que passou da data prevista do nascimento, e sem nenhuma contra??o, mas naquele dia, d¨ºs que pisou naquele campo n?o parrou de mexer.¡ª Parece que Coelho avistou o pomo! E Polo n?o est¨¢ muito atr¨¢s dela. Ele come?a a segui-la. Quase sendo acertado pelo bala?o.Segurando com mais firmeza em sua vassoura despencou no ar. Precisava perder Polo, sem tirar os olhos do pomo. Quase batendo em um ca?ador do outro time, isso acabou distraindo Polo por alguns segundos, o suficiente para ficar na lideran?a e come?ou a seguir rapidamente a pequena bola dourada com asas.Para cima. Esquerda. Direita. E ela quase bateu em Julia com a golem, mas n?o diminuiu, ela n?o podia diminuir a velocidade, nem tirar os olhos da maldita bolinha dourada.Quando por um minuto o pomo sumiu, quase n?o d¨¢ tempo de virar para cima desviando do bala?o. Foi quando viu novamente l¨¢ estava ele, voando para baixo. Era agora ou nunca. Segurando com for?a virou para baixo e ficou na horizontal, apertou suas pernas envolta do cabo da vassoura para n?o cair, e se recusou a estremecer com a dor que veio novamente em ondas. Estendendo a m?o enluvada, seu cora??o come?ou a martelar no peito quanto chegava mais perto do ch?o.¡ª Mas perto. Mais perto. Mais perto… ¡ª repetia com prece enquanto sentia o calor do pomo entre os dedos.Segurando com muita for?a o cabo, puxou para cima. Agarrando o pomo. Seus dedos do p¨¦ ro?aram a neve antes de perder o equil¨ªbrio e cair. Sua vassoura saiu de suas m?os e rolou pelo ch?o nevado. O est¨¢dio ficou em silencia, e seu cora??o batia forte quando levantou a m?o mostrando o maldito pomo. Ela riu. t?o alto quando o est¨¢dio o est¨¢dio explodira em anima??o abafando seu agora grito de dor enquanto o locutor gritava a vit¨®ria arrasadora do Brasil conta a Inglaterra.Seus companheiros desceram e foram cumprimenta-la, apenas para encontra-la gritando a plenos pulm?es de dor. Parecia que seus ossos estavam quebrando, e vinha em ondas a dor, quase sem fim.¡ª R¨¢pido! Chamem um curandeiro! ¡ª Gritou Carlos.O est¨¢dio come?ou a ficar em silencia quando viram que a apanhadora do Brasil n?o se levantando. Os jogadores do outro time desceram para ver o estado de sua adversaria e nas arquibancadas, Newt e Credence come?aram a correr, passando pelas pessoas tentando chegar at¨¦ a saia mais pr¨®xima.O curandeiro que ficava de prontid?o correu para ela se ajoelhando ao seu lado. A dor veio novamente, e se agarrou com for?a a neve abaixo de si.¡ª Ela entrou em trabalho de parto. ¡ª Foi quase um sussurro assustado.Isso a apavorou. O resto passou como um borr?o para Alyssa. Em algum momento suas cal?as foram retiradas e Newt e Credence chegaram e come?aram a dar seu apoio. Ficou com encostada no tor?o de Credence entre suas pernas com Newt segurando sua m?o e a outra assegurando o pomo. E com cada grito, ela apertou com mais for?a as m?os.¡ª Voc¨ºs nunca mais v?o tocar em mim! Porra! ¡ª gritou enquanto xingava com outra contra??o.Ela ganhava sussurros de adora??o e incentivo com cada xingo e grito. Quanto mais do¨ªa mais se recusava a n?o parar de empurrar, como ela poderia? Quando seu filhote estava querendo nascer, com Newt e Credence ao seu lado?¡ª ¨¦ uma menina! ¡ª Anunciou o curandeiro.As contra??es pararam, e ela pode respirar finalmente. Estava cansada, o suor escoria pela sua pele, e mal poderia explicar a felicidade que sentia enquanto pedia ver sua filha ser enrolada em uma das capas do uniforme de quadribol, antes de lhe ser entregue.¡ª Ela n?o est¨¢ chorando ¡ª Alyssa notou preocupada. ¡ª Isso ¨¦ normal? Alec chorou quando nasceu.¡ª Sim, ¨¦ normal Sra. Coelho. ¡ª disse o curandeiro com um sorriso tentando tranquiliza-la.¡ª Newt, ela tem seus cabelos ¡ª Credence examinava cuidadosamente sua filha, tinha a pele roxa e enrugada, um pequeno topete encaracolado de cabelos avermelhados.¡ª Pequena ¡ª sussurrou em admira??o enquanto quase podia ver o pequeno embrulho sumindo envolta na grande capa verde e amarelo do Brasil.Alyssa s¨® pode sorrir enquanto via Credence e Newt quase sem palavras para a mais nova adi??o a sua pequena fam¨ªlia.¡ª Oi amor. ¡ª Foi em seus bra?os que sua pequena filha abriu os olhos, cansados, sonolentos. Seus cabelos ganharam o tom p¨¢lido e perolado da mais pura neve e seus olhos eram incrivelmente azuis como joias, iguais os de Newt. Iguais em seus sonhos ¡ª Bem-vinda ao mundo, Teddy.

Leave a Reply

Your email address will not be published.